Substrato para bonsai

Substrato para bonsai é um assunto que sempre gera discussão, cada bonsaista tem sua receita, e existe uma variação imensa das característica que o substrato deve ter para cada espécie de planta já que cada uma delas tem necessidades diferentes, além de variar também de acordo com o clima, umidade média do ar na região, vento, tempo de exposição ao sol, etc.

Por esses motivos é muito difícil ditar uma receita padrão de substrato, o que pretendo discutir nesse post é, principalmente, os aspectos básicos que se deve considerar para fazer uma boa mistura para substrato, esse texto não tem de forma alguma ditar uma receita mágica para a composição de substratos, mas servir como base de conhecimento para tanto.

Além disso vamos discutir substrato para bonsai, se você quer substrato para estacas, mudas, germinação de sementes, pré-bonsai, etc, este artigo não se destina exatamente a você, mas estou certo que as informações deste lhe podem ser muito úteis.

Com nosso substrato buscamos alcançar o máximo de saúde para a planta, mesmo que você erre na composição do substrato e dependendo da espécie da planta é quase certo que ela irá sobreviver, não queremos somente que ela sobreviva, se as plantas não estiverem saudáveis elas não resistirão as intervenções drásticas de estilização que comumente se faz em bonsai e nunca renderão o máximo de sua beleza.

Fisiologia
Acho importante compreender o básico da fisiologia das plantas no que tange este assunto, também porque a qualidade do substrato esta diretamente ligado ao sucesso do cultivo de bonsai.

As raízes tem basicamente dois papeis, a primeira é a fixação da planta no solo, esse papel é desempenhado pelas raízes mais grossas. As raízes finas tem o papel de absorver água e nutrientes, mas isso é feito penas na extremidade destas raízes, por isso a importância de promover a ramificação das raízes.

O processo de absorção e elaboração de nutrientes é feita através de reações químicas que são auxiliadas por bactérias que vivem em associação com a planta. Para tanto as raízes necessitam não somente de água mas também de ar.

Em se tratando de bonsai, podemos citar um terceiro papel das raízes, a estética da planta, o chamado nebari, as raízes aparentes e grossas em relação ao tronco dão o aspecto de árvore antiga para a planta, o que é muito importante num bonsai.

Os vasos de bonsai

Saturação de raízes em um vaso, de Harry Harrington

Em um vaso de bonsai a planta encontra uma situação completamente diferente do que encontraria no chão, o espaço geralmente é bastante limitado, por este motivo na poda de raiz são eliminadas as raízes grossas que não tem função de absorção para liberar o máximo de espaço para raízes finas.

Isso não prejudica a estabilidade em um bonsai, no transplante são geralmente usados arames para fixar a planta ao pote, e polo pequeno porte da árvore, as raízes finas fazem bem o papel de fixação neste caso, devendo saturar o volume do vaso em um período de 2 a 3 anos em média.

Também pela falta de espaço nos vasos, o substratos secam rapidamente, daí a necessidade de rega diária da planta. Assim chegamos a conclusão que o substrato deve ser bastante drenante para permitira que a água passe por ele sem encharcar e assim renove o ar entre as partículas do substrato, e o substrato deve reter água suficiente para manter a planta hidratada até a próxima rega.

Importância da granulosidade
Hoje, sabemos que a granolometria ideal para um bom substrato varia entre 2 a 5 milímetros de diâmetro. A granulação esta relacionada diretamente a ramificação das raízes finas quando estas vão de encontro aos grãos, hora mudando de direção no seu crescimento, hora ramificando-se e aumentando de diâmetro, o que é muito bom.

Por efeito da tensão superficial da água, ela tende a se aderir a pequenos corpos e assim o substrato granulado é capas de manter tanto ar e água entre seus grãos.

Outro beneficio do substrato granulado é que ele facilita o transplante das plantas pois se desprende facilmente e assim danifica-se menos as raízes finas durante esse processo.

Deve se evitar ao máximo um solo compacto e argiloso em vasos de bonsai, como seria a terra de jardim pura por exemplo, nesse tipo de solo existe um acumulo excessivo de água pode levar ao apodrecimento das raízes e dificulta a ramificação das raízes capilares.

Em outras situações como no caso de mudas ou vasos de jardim, as plantas não são regadas diariamente, por isso o substrato composto basicamente por terra de jardim não causa podridão de raízes, porém neste caso o objetivo do substrato é o crescimento da planta, o que diferente do objetivo do substrato de bonsai.

Solos muito argiloso em vasos pequenos tendem a formar uma massa rígida quando secam em demasia, o solo fica semelhante a chão de terra batida, assim quando regado novamente a água tende a escoar por entre o vaso e o substrato por não conseguir penetrar no solo. Quando a água sai pelo orifício no fundo do vaso ela não encharcou todo o substrato, assim a água não se distribui uniformemente para as raízes, o que cria uma região muito seca no interior do vaso, nessas regiões as raízes não prosperam.

Usa-se criar camadas de substrato com grânulos mais grossos no fundo do vaso e as camadas superiores com os grânulos mais finos para facilitar a drenagem da água. É importante notar que se o substrato é suficientemente drenante, não é necessário criar uma camada no fundo do vaso somente com cascalho grosso, vasos de bonsai são muito restrito, não desperdice espaço de substrato com cascalho inerte.

A granulosidade e a ausência de partículas menores que 2mm que fazem com que a drenagem do substrato seja garantida e assim evite que o substrato fique ensopado, ou seja, o substrato torna quase impossível regar de mais a planta, ele deve deixar a fertilidade que a planta exige e ao manter a estrutura aerada serve para prover as condições de miniaturização da planta.

A aeração dos macroporos induz muita raiz fina, e menos raiz grossa, isso quer dizer mais pontas, e mais pontas produzem mais citocininas, e mais citocininas promovem ramificações nos brotos, e muitos ramos induzem plantas menores e compactas, portanto esse tipo de substrato é indicado para bonsai pois queremos nossas plantas com folhas reduzidas e muitos ramos nos galhos.

Novamente é importante salientar, deve-se tratar cada caso separadamente, plantas de brejo preferem solo não aerado, a exemplo: taxodium, chorão, sarandi, etc.

PH do substrato
Outro ponto a se considerar é o PH do substrato, em linhas gerais plantas com folhas maiores tendem a gostar de PH mais ácido. Substratos com PH mais ácido tem maior concentração de materiais orgânicos como turfa, casca de pinus, folhas secas, terra vegetal, etc. É preciso ter muita atenção com esses materiais pois tendem a compactar com o tempo, além de aumentar a retenção de umidade e consequentemente propicia a formação de fungos.

A maior parte dos substratos acabam por ficar com PH ácido, uma parte considerável dos materiais usados em substrato tem PH neutro ou ácido, com exceção de materiais de origem calcária como cascalho dolomítico, são raros os bonsaistas que medem o PH de seus substrato, por isso é importante balancear os materiais na composição.

Em plantas que desenvolvem micorrizas e rizóbios (microorganismos que auxiliam na elaboração de nutrientes) não se usa substratos ricos em materiais orgânicos, assim se quiserem esses microrganismos nelas não usamos matéria orgânica (nem uréia e sulfato de amônio). Exemplificando:
Plantas com rizóbio: piteco, tamarindo, caliandra, tipuana, etc.
Plantas com micorriza: Pinus, casuarina, carvalho, chorão, etc.

Materiais usados em substratos

Terra – Essa é a parte do substrato que trás a maior parte dos nutrientes para a mistura. É comum utilizar terra de cupinzeiro em bonsai por ser uma terra granulada que demora a compactar, porém pode ser utilizada terra comum peneirada primeiramente com uma peneira grossa para remover os grãos maiores e pedras e depois uma peneira fina (de fubá) para remover as partículas muito finas que tornam o substrato compacto. É recomendável aquecer a terra ao forno por cerca de meia hora para esterilizar. Geralmente corresponde de 15% a 20% da mistura final.

Turfa – A turfa é um produto de origem vegetal, formada a milhares de anos (3.000 a 10.000 anos) pela deposição de restos de plantas em um terreno alagadiço. É um produto natural com elevado percentual de matéria orgânica (90%), por esse motivo tende a acidificar o substrato, e tem alta capacidade de retenção de água. Não confundir esse material com turfa de esfagno ou turfa de fibra de coco. Certas espécies como a paineira não aceitam bem esse material.

Areia – Evite a utilização de areia de construção, ela costuma vir com muitas impurezas como por exemplo resíduos de óleo, cal, etc. Você encontrará areia com granulação uniforme e livre de impurezas em lojas de aquário onde são vendidos como substrato, e em lojas de piscinas onde são usadas nos filtros. A areia é composta basicamente por sílica que tem pouca porosidade, portanto retém pouca umidade, um substrato muito rico em areia seca rapidamente.

Cascalho de dolomita – Tem boa porosidade e retém melhor a umidade que a areia, mas alcaliniza o PH do substrato, portanto deve ser evitado em substrato para plantas como azaleia.

Cascalho mineiro – Esse cascalho é bastante poroso, não se compacta e mantém umidade melhor que a areia, não possui nutrientes e é inerte.


Cinasita ou Argila expandida – Aqui no Brasil é possível encontrar em agropecuárias com bastante facilidade esse material já granulado chamado de 0500, o material maior depois de moído pode ser usado também, porém tem aspecto desagradável. Tem boas propriedades em retenção de umidade, absorção de nutrientes, aeração, pouca ou nenhuma compactação, tem PH neutro. É um material muito leve e reduz o peso total do substrato.

Vermiculita – É encontrada facilmente em agropecuárias para a germinação de cementes, de origem mineral com grande capacidade de absorção e retenção de umidade e de nutrientes, pH neutro, isento de nutrientes. Por reter muita umidade deve ser usado em maior concentração em vasos muito pequenos ou em regiões mais quentes. É um material muito leve e reduz o peso total do substrato. É usado puro para a brotação de sementes e estacas.


Perlita – Esse material é feito com um tipo de minério que se expande quando exposto a altas temperaturas, o resultado é um material altamente poroso, mais leve que a vermiculita, branco e inerte que não compacta facilmente com o tempo. É usado puro para a brotação de sementes e estacas.

Tijolo ou telha moído – Não possui nenhum tipo de nutriente, tem pouca ou nenhuma compactação, retém bem a umidade (o tijolo melhor que a telha) e boa aeração.
Laterita – Comumente encontrado em lojas de aquários. Esse granulado é rico em óxidos de ferro e alumínio, não é recomendado o uso em grande proporção, mas podem ser usados alguns grãos em Azaleias e plantas com deficiência em ferro.

Outras coisas podem ser adicionadas ao mix de substrato, mas em pequenas proporções (inferiores a 5% da mistura) como carvão vegetal que não pode ter sido usado na churrasqueira por causa da gordura animal, e bem pouquinho de farinha de osso que possui cálcio em sua composição, porém se trata de um adubo, por isso é melhor usar muito pouco para não desidratar as raízes das plantas.

Considerações

Artigos sobre substrato é um outro tema que tenho que abordar, os artigos que lemos sobre substrato de bonsai, este inclusive, se destina a bonsai “prontos”, para pré-bonsais e mudas é necessário ajustes na composição do substrato uma vez que o tamanho dos vasos devem ser maiores e o objetivo é o crescimento e não a miniaturização e a ramificação dos ramos da planta.

Artigos internacionais que encontramos na internet pode nos induzir a produção de substratos incompatíveis com nosso clima, a exemplo do substrato usado por grandes bonsaistas europeus que é composto por 80% de argila cozida e 20% de turfa, não é utilizada de forma alguma terra no substrato, essa composição para onde o clima mais ameno não leva a rápida evaporação da água do substrato é totalmente aceitável, aqui no Brasil seria necessário regar a planta várias vezes ao dia além de necessitar de atenção redobrada com a adubação.

A composição de substrato que eu tenho usado com sucesso é composto por Areia, Cascalho Mineiro, Vermiculita, Cinasita e Terra em partes iguais como substrato base, pode-se aumentar a quantidade de matéria orgânica para plantas como azaleia ou de areia e cascalho mineiro para coníferas que preferem substrato mais drenante. Esta é a minha receita, você deve fazer a sua com base nas informações acima, ajustando sua mistura à suas necessidades.

Comente usando o Facebook

comentários

6 thoughts on “Substrato para bonsai”

  1. Pingback: A rega | Bonsai
  2. NÃO CONSIGO ACHAR UMA LOJA QUE VENDE OS INGREDIENTES P/ FAZER O SUBSTRATO QUE VC INDICOU , PODE ME AJUDAR
    SOU DE SÃO PAULO – JABAQUARA

    1. Paulo
      Você não precisa usar todos os elementos que citei em uma única mistura, o que acho essencial num substrato é a areia, a terra e algo que retenha umidade sem compactar, estou usando muito caco de telha moída. Para pinheiro e azáleas por exemplo, o mestre Hidaka usa mistura de caco de telha moída, casca de pinus e terra, mas logicamente que a proporção de cada coisa é diferente para cada espécie. Minha intenção em lista-los não foi de ditar uma mistura, nem incentivar o uso de todos eles em conjunto, apenas listar os materiais que podem ser usados para compor um substrato, e nem tem todos eles ai na lista, pois até mesmo isopor pode ser usado no substrato, depende da necessidade.

      Cada um desses elementos você pode encontrar em lugares diferentes, a areia grossa por exemplo eu prefiro comprar em lojas de aquário porque já vem lavada, mas pode ser de loja de material de construção mas nesse caso você deve lava-la pois pode vir resíduo de óleo da draga que extrai a areia. Caco de telha e lajota moída é mais complicado, eu compro em uma loja de aquário na minha cidade, chamam de argilita e é usado para substrato de fundo de aquário também, mas você pode pegar algumas telhas e moer manualmente, esse processo dá muito trabalho. A vermiculita e a argila expandida 0500 você encontra em casas agrícolas e agropecuárias que vendem material para plantio, na capital deve ser difícil um lugar assim, mas aqui no interior é mais comum. Casca de pinus pode ser encontrada em floriculturas…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *